Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 19/09/2017

Brasília, 19 de setembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: as praças financeiras internacionais amanhecem operando de forma mista com investidores em compasso de espera pela reunião do FOMC (Comitê de Mercado Aberto do Fed). Os players ficarão atentos ao provável anúncio do enxugamento do balanço do Fed, bem como em uma eventual sinalização sobre o timing do próximo aumento de juros. Por ora, bolsas europeias trabalham com ganhos nas praças francesas, espanholas e inglesas, ao passo que na alemanha e na holanda caem. Já commodities operam em alta.

Interno: sem agenda econômica relevante, questões políticas seguem no radar dos investidores locais. O risco de uma possível delação do ex-ministro Geddel Vieira Lima permanece no foco dos agentes. Ademais, o plenário da Câmara tem sessão extraordinária nesta manhã para dar continuidade à votação, em primeiro turno, das mudanças no sistema eleitoral, mas segue o impasse no Congresso.

Bolsa: as oscilações nos mercados acionários externos não deve prejudicar o desempenho do Ibovespa no dia diante da alta dos preços das commodities. Nesse sentido, espera-se que o índice acionário doméstico continue sua trajetória ascendente, mas de forma comedida.
Juros: investidores devem trabalhar em bandas estreitas na curva à termo de juros no aguardo dos sinais do Fed e das projeções de IPCA no Relatório Trimestral de Inflação a ser divulgado durante a semana pelo Banco Central.
Dólar: o enfraquecimento do dólar ante a maioria das divisas externas por conta das expectativas da reunião de política monetária do Fed tende a contribuir para uma apreciação marginal do real ante a moeda Yankee. No entanto, as incertezas políticas internas deve impor alguma volatilidade na taxa de câmbio local.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.