Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 19/07/2019

Brasília, 19 de julho de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os mercados abrem eufóricos reagindo a chance de uma ação mais agressiva por parte do Federal Reserve (Banco Central dos EUA) quanto a uma redução na taxa de juros ainda neste mês. Do outro lado do atlântico, os agentes esperam também cortes dos juros já na semana que vem pelo Banco Central Europeu (BCE). Nesse mix de informações o dólar ganha valor ante as moedas de referência (euro, libra inglesa e iene japonês) e cede frente as moedas emergentes. Por ora, as bolsas do velho continente, futuros de bolsas de Nova Iorque e as commodities sobem.

Interno: Com as férias no Congresso e uma agenda fraca nesta sexta-feira, o mercado local deve ser guiado por eventos externos. De novo apenas a atualização da equipe econômica do governo para a projeção de impacto fiscal do novo texto da reforma da Previdência. Agora a economia prevista em 10 anos está em R$ 914 bilhões.

Bolsa: Perspectivas de ação mais agressiva pelo Fed em relação aos cortes de juros nos EUA deve preponderar positivamente sobre as ações brasileiras. Assim, o Ibovespa tende a subir no dia.
Juros: O mercado de juros futuros deve passar por ajustes em alta por conta da falta de novidades em âmbito local e pelo patamar baixo no qual se encontra a estrutura à termo. Assim, os juros futuros tendem a subir (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O ânimo dos agentes com a possibilidade de corte de juros mais agressivo pelo Fed e falta de novidades locais devem impor queda da taxa de câmbio brasileira. Assim, o dólar deve cair ante a moeda doméstica.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.