Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 19/04/2017

Brasília, 19 de abril de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo:mercados internacionais ensaiam um alívio neste começo do dia após a maior aversão ao risco vista ontem. Para justificar o ânimo, investidores utilizam o bom resultado do banco Morgan Stanley para dar viés positivo na abertura dos mercados.

Interno: leitura do substitutivo da Reforma da Previdência Social será o destaque da agenda doméstica depois de ser adiado a apresentação do documento ontem. O quadro político mantêm as atenções, com investidores digerindo duas votações na noite de ontem com vitória na aprovação do texto-base do projeto de recuperação fiscal dos Estados e derrota na votação de urgência da reforma trabalhista.

Bolsa: comportamento externo positivo de bolsas e commodities devem preponderar no movimento do Ibovespa que tende a subir no dia. Vale lembrar que as baixas das ações blue chips observadas ontem podem ajudar na correção de preços.
Juros: ainda reverberando no comportamento dos DIs futuros, a ata do Copom, sugere na percepção dos agentes que pode ocorrer uma intensificação na queda da taxa Selic. Ademais, a aprovação na Câmara do socorro aos Estados também traz alívio na estrutura à termo de juros. Assim, a parte curta da curva deve apresentar estabilidade e os vencimentos de médio e longo prazo tendem a seguir caindo.
Dólar: cenário doméstico continua pesando no mercado cambial devido as incertezas sobre a adesão dos parlamentares da base aliada aos anseios do governo no que tange a agenda de reformas (Previdenciária e Trabalhista). Nesse sentido, o dólar tende a trabalhar em alta ante ao real mesmo diante da conjuntura externa mais favorável.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.