Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 19/03/2018

Brasília, 19 de março de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: a semana começa com investidores adotando a cautela em função da expectativa com a reunião de política monetária do Federal Reserve, que deve ocorrer entre os dias 20 e 21 de março. Os agentes apostam que os juros dos EUA devem subir para o patamar entre 1,5% e 1,75% ao ano. Além disso, o temor de uma guerra comercial na economia global por conta da sobretaxa no aço e alumínio, pelos EUA, provoque refluxo dos investimentos em mercados emergentes, também pesam nos negócios. No momento, bolsas europeias, futuros de bolsa de Nova York e as commodities operam em baixa, enquanto o dólar trabalha em alta frente as divisas internacionais.

Interno: a agenda doméstica traz como destaque a divulgação do IBC-Br de janeiro, que deve apresentar recuo na margem devido ao fraco desempenho da indústria e do setor de serviços. Ademais, a conjuntura externa avessa ao risco deve influenciar os negócios internos negativamente.

Bolsa: a Bovespa deve iniciar os negócios sob tom negativo, pressionada pelo ambiente externo de cautela às vésperas da reunião de política monetária do Federal Reserve.
Juros: investidores locais começam operar a expectativa de que o Copom anuncie a decisão sobre a meta Selic, nesta próxima quarta-feira, com tendência de juro básico em patamar baixo por longo período. Nesse sentido, a curva à termo de juros deve operar na estabilidade nos vencimentos até o fim do ano, enquanto os demais vértices tendem a trabalhar ligeiramente em alta.
Dólar: as expectativas de alta dos juros nos EUA e o temor com o protecionismo comercial devem prevalecer e impor alta da taxa de câmbio doméstica. Assim, espera-se que o dólar se fortaleça ante ao Real na sessão regular.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.