Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 18/07/2017

Brasília, 18 de julho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: o calendário fraco de indicadores deixa os investidores internacionais operando de olho na temporada de balanços e no noticiário norte-americano. O revés do presidente dos EUA, Donald Trump, no Senado em torno da reforma do setor de saúde provoca dúvidas nos players e provoca ajustes baixistas nas bolsas europeias e queda do dólar ante a maioria das divisas externas.

Interno: as preocupações fiscais entram no radar, em meio ao início do recesso parlamentar, diante do aleta do Tribunal de Contas da União – TCU – sobre o risco de descumprimento da meta do ano. Enquanto isso, os agentes avaliam o discursos de Temer sobre as reformas com notícias de que o governo já examina a proposta de reforma da Previdência para identificar pontos que têm chances de serem aprovados pela base aliada numa versão mais diluída. Ademais, em vídeo nas redes sociais, ontem à noite, o presidente disse que quer simplificar o sistema tributário em “brevíssimo tempo”.

Bolsa: em dia de mercado externo operando divergente, com queda das bolsas europeias e do dólar e alta das commodities, o Ibovespa deve operar na estabilidade. Assim, a Bovespa deve reagir de forma comedida já que a melhora dos preços das commodities pode conter uma realização de lucros.
Juros: a queda marginal do dólar ante ao real e discurso de Temer prometendo manter uma agenda de reformas (Previdência e do sistema tributário) ajudam a manter o viés de baixa da estrutura à termo de juros. Não obstante, o risco fiscal de estouro da meta pode limitar o movimento de baixa da curva de juros previsto para o dia. Assim, esperamos que os prêmios dos DIs trabalhem na estabilidade.
Dólar: o revés das políticas do presidente dos EUA, Donald Trump, no Senado, agenda fraca no exterior e ambiente político interno mais calmo devem ajudar o real a se apreciar ante a divisa estadunidense.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.