Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 18/05/2018

Brasília, 18 de maio de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: as discussões comerciais entre EUA e China seguem no foco depois de relatos da mídia de que os chineses teriam proposto um pacote de cerca de US$ 200 bilhões em concessões comerciais ao governo Trump, com promessas de comprar mais produtos americanos e, consequentemente, reduzir o gigantesco superávit comercial de Pequim com o Washington. Na Itália, os partidos Liga (extrema direita) e o Movimento 5 Estrelas (antiestablishment) anunciaram um acordo sobre um programa de governo conjunto que propões cortes de impostos e aumento nos gastos com o bem estar social. Esses eventos estão movimentando os negócios e faz com que as bolsas europeias operem ainda sob o viés negativo, enquanto futuros de bolsa de Nova Iorque trabalham ligeiramente no azul. No câmbio, o dólar segue sua trajetória de valorização ante as moedas internacionais.

Interno: ainda sem acordo no processo de revisão do contrato de cessão onerosa entre Petrobrás e o governo federal investidores mantêm o foco nessas discussões. Na agenda de indicadores, a segunda prévia do IGP-M de maio, acima dos 1,12% MoM estimado pelo mercado, avançou 1,20% MoM contra 0,40% em abril.

Bolsa: a queda das commodities lá fora e escalada do dólar frente as demais divisas internacionais devem pesar novamente e impor viés de baixa para a Bovespa.
Juros: dólar forte no exterior e segunda prévia do IGP-M de maio acima do esperado tendem a pressionar de forma altista toda a curva à termo de juros.
Dólar: o fortalecimento do dólar frente a todas as divisas externas tende a influenciar a taxa de câmbio doméstica e fazer o real depreciar mais uma vez ante a moeda Yankee.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.