Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 18/04/2019

Brasília, 18 de abril de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os sinais de esgotamento do maior apetite ao risco por parte dos investidores internacionais faz com que novos dados fracos da Zona do Euro sirva de motivo para a cautela nas praças financeiras da Europa e EUA nesta abertura. O índice de atividade industrial na região do euro e na Alemanha piores do que o esperado aumenta as preocupações sobre a desaceleração econômica global. No momento, bolsas europeias oscilam e futuros de bolsas dos EUA caem. As commodities depreciam-se e o dólar ganha valor ante a maioria das divisas externas.

Interno: As dificuldades do governo de aprovar a reforma da Previdência na CCJ diante da pressão de partidos do Centrão para mudar o texto na fase que em tese seria mais tranquilo aciona o sinal de alerta entre os investidores nacionais. Os agentes irão monitorar até semana que vem alguns sinais de melhora na articulação política. Ademais, o anúncio da Petrobrás, ontem à noite, do reajuste de 4,84% no preço do diesel (R$ 0,10 por litro) gera temor por conta do risco de uma nova greve dos caminhoneiros.

Bolsa: Dados industriais da zona do euro piores serve de motivo para um ligeiro ajuste de preços dos papéis na Europa e nos EUA, enquanto incertezas em relação ao andamento da reforma da Previdência e risco de greve dos caminhoneiros tendem a direcionar para baixo o Ibovespa.
Juros: A alta do dólar frente as moedas internacionais (gera pressão de curto prazo na inflação), dúvidas quanto à reforma da Previdência e temor de greve dos caminhoneiros tendem a impor viés de alta para os juros futuros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O ambiente externo ligeiramente negativo, preocupações com a capacidade do governo de articular politicamente o andamento da reforma a Previdência e risco de greve dos caminhoneiros devem valorizar o dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.