Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 17/07/2019

Brasília, 17 de julho de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os mercados do ocidente abrem sem movimentos firmes nos preços, com bons resultados corporativos auxiliando como contraponto às renovadas preocupações comerciais entre EUA e China. Ademais, a fala de um membro do Banco Central Europeu (BCE) de que a instituição está “determinada a agir” para levar a inflação à meta de 2% ao ano animam investidores. Por ora, as bolsas do velho continente, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities sobem ligeiramente. O dólar oscila ante a maioria das divisas.

Interno: A espera pela retomada dos trabalhos da reforma da Previdência estimula variações contidas dos ativos financeiros locais. A intenção do governo de estimular o consumo e de levar adiante o plano de privatização da Eletrobrás, via redução de participação tendem a reverberar nos negócios. Serão monitoradas eventuais declarações de Paulo Guedes, Roberto Campos Neto e Jair Bolsonaro na cúpula do Mercosul.

Bolsa: O viés ligeiramente positivo lá fora não deve se sustentar em função dos picos históricos nos quais se encontram as principais bolsas americanas. Questões comerciais entre EUA e China também seguem como fator de risco. Internamente sem novidades, investidores locais devem trabalhar cautelosamente. Assim, o Ibovespa tende a operar com viés de baixa.
Juros: A oscilação do dólar frente as divisas externas (gera pressão na inflação no curto prazo) deve ser contrabalançado pela fraqueza da atividade doméstica. A agenda de indicadores e de notícias sobre as reformas esvaziada no país tendem a deixar os juros futuros operando na estabilidade (sem alteração, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O fortalecimento do dólar frente as demais moedas externas e falta de novidades locais devem pressionar a paridade real/dólar. Assim, o dólar deve ganhar valor ante a moeda doméstica.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.