Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 17/06/2019

Brasília, 17 de junho de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os mercados iniciam a semana em tom cauteloso diante das decisões de política monetária nos EUA, Japão e Inglaterra. Como a expectativa é de que o Federal Reserve (Banco Central dos EUA) possa alterar a sinalização de manutenção de juros, há possibilidade de isso influenciar a atuação das demais instituições. No momento, bolsas europeias e futuros de bolsas de Nova Iorque oscilam, enquanto as commodities sobem. Petróleo cai em um possível movimento de realização de lucros, após acumularem robustos ganhos nas duas sessões anteriores. Já o dólar operava com volatilidade frente a todas as divisas externas.

Interno: Outro ruído proveniente do governo deve provocar uma postura defensiva dos investidores locais. A demissão do presidente do BNDES, Joaquim Levy, deixa o receio com os impactos das sucessivas crises na condução da agenda de reformas. A avaliação no momento é de que não haja qualquer mudança na orientação econômica dada a percepção de aumento das chances de aprovação da reforma da Previdência com impacto fiscal satisfatório. Na agenda, o boletim Focus do Banco Central, mostrou pela primeira vez em mais de quatro meses a perspectiva de redução da taxa Selic neste ano para 5,75%.

Bolsa: O cenário externo volátil para os mercados acionários alidado a redução das projeções de PIB doméstico devem pesar sobre o Ibovespa. Assim, a bolsa paulista tende a cair no pregão regular.
Juros: A volatilidade do dólar ante as moedas externas (gera pressão na inflação no curto prazo) e ruído no governo deve servir de motivo para que os juros futuros subam (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A conjuntura internacional mais volátil aliado aos desgastes de ministros do governo diante da demissão do presidente do BNDES, Joaquim Levy, tendem a pressionar a paridade real/dólar. Desse modo, o dólar tende ganhar valor frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.