Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 17/05/2018

Brasília, 17 de maio de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: o clima se mostra ameno nos mercados internacionais mesmo com as incertezas com as negociações comerciais entre EUA e China. Em dia de agenda de indicadores esvaziada, os investidores ficaram atentos aos próximos sinais econômicos visando sancionar ou corrigir parte da recente escalada do dólar ante as moedas externas. No momento, bolsas europeias sobem estimuladas pela alta do petróleo, enquanto os futuros de bolsa de Nova Iorque exibem leves baixas. Quanto ao câmbio, o dólar oscila frente as divisas internacionais.

Interno: a surpresa com a decisão do Copom, que manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano, também guiará os negócios domésticos. O bom comportamento da inflação e a atividade econômica em processo muito lento de retomada serviam de motivo para a aposta majoritária do mercado de mais uma queda de 0,25pp na taxa básica, porém a mudança do cenário externo, com a piora da taxa de câmbio, sugere a tomada de decisão do Bacen de deixar inalterada a taxa básica de juros.

Bolsa: a surpresa com a manutenção da taxa básica de juros e a volatilidade dos futuros de bolsa de Wall Street devem impor viés de queda para a Bovespa. A alta das commodities tende a limitar o movimento do índice acionário paulista.
Juros: em que pese a curva de juros não considerasse 100% de chance de queda da taxa Selic, os investidores devem exigir mais prêmios nos DIs. A percepção de fim do ciclo de distenção da política monetária ajuda a estimular a inclinação positiva da curva à termo de juros no dia.
Dólar: a trégua da escalada do dólar ante as demais moedas externas, nesta abertura, deve se contrabalançar com a decisão do Copom de manter a taxa Selic no mesmo nível de 6,5% ao ano. No entanto, o movimento de apreciação da divisa estadunidense tende a permanecer e deve impor nova rodada de queda do real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.