Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 17/04/2019

Brasília, 17 de abril de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os bons números de vendas no varejo, produção industrial e PIB da China em março impactam positivamente os preços dos ativos financeiros, em especial de economias emergentes. Esses dados refletem a intensificação da política de estímulos adotada na parte final de 2018. A visão dos analistas é de que por ora está afastado uma desaceleração mais acentuada da economia chinesa. No momento, bolsas europeias oscilam e futuros de bolsas dos EUA sobem. As commodities apreciam-se e o dólar cede frente as demais divisas externas.

Interno: Investidores domésticos estão de olho na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que agendou para hoje de manhã a votação da admissibilidade da PEC da reforma da Previdência. No entanto, os desafios para superar a obstrução da oposição e garantir que não haverá mudanças no texto sugerem um possível adiamento da votação para depois da Páscoa. Quanto a política de preços dos combustíveis da Petrobrás, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmou a autonomia da estatal petrolífera. Do lado fiscal, o Congresso articula para conceder ganho real ao salário mínimo, cuja regra expirou nesse ano.

Bolsa: Dados econômicos bem melhores do que o esperado da China anima os operadores internacionais e devem ajudar o Ibovespa a manter a trajetória de recuperação. Contudo, diversos focos de preopucação do governo (votação na CCJ da PEC da previdência, preços dos combustíveis da Petrobrás e aumento do salário mínimo) podem limitar a perspectiva de alta do índice paulista.
Juros: A queda do dólar frente as moedas internacionais (tira pressão de curto prazo na inflação) e perspectivas de votação da reforma da Previdência na CCJ tendem a impor viés de baixa para os juros futuros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O ambiente externo positivo ajudando as moedas externas a ganharem valor frente ao dólar e chance de votação da reforma da Previdência na CCJ tendem a apreciar o real ante a divisa estadunidense.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.