Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 16/07/2019

Brasília, 16 de julho de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os negócios começam contidos nas bolsas por conta dos picos históricos alcançados nestas praças. Quanto aos indicadores, olhando para trás, o bom resultado da balança comercial de maio da Zona do Euro contrasta com a queda das expectativas econômicas (ZEW) na Alemanha na leitura de julho. Esse misto de resultados dos números e alguns bons balanços corporativos sustentam um viés ligeiramente de alta. Por ora, as bolsas do velho continente, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities sobem. O dólar ganha valor ante a maioria das divisas.

Interno: Sem muitas novidades de peso para influenciar os negócios, forte valorização dos ativos de risco nas últimas semanas e a existência de algumas etapas para a finalização da reforma da Previdência indicam que investidores locais devem trabalhar de forma comedida. Na agenda de indicadores, a alta de 0,61% do IGP-10 de julho, acima da expectativa do mercado de 0,53%, deve influenciar os juros futuros.

Bolsa: O viés ligeiramente positivo lá fora não deve ser suficiente para alavancar o Ibovespa, pois a agenda fraca e forte valorização nas últimas semanas tendem a conter o ímpeto dos operadores domésticos. Assim, o índice acionário paulista tende a operar perto da estabilidade com viés ligeiramente para cima.
Juros: A alta do dólar frente a boa parte das divisas externas (gera pressão na inflação no curto prazo), alta do IGP-10 de julho e forte queda das taxas DI na última semana servem de pretexto para investidores imporem alta dos juros futuros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A conjuntura internacional levemente positiva, mas impondo fortalecimento do dólar frente as demais moedas externas deve guiar a paridade local. Ademais, falta de novidades no âmbito interno e boa valorização do real na última semana contribuem para uma correção de preços. Assim, o dólar deve ganhar valor ante a moeda doméstica.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.