Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 15/02/2018

Brasília, 15 de fevereiro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: os mercados internacionais operam com viés positivo diante das perspectivas de crescimento global e menor aversão ao risco. Bolsas europeias e futuros de bolsa de Nova York renovam as altas nesta manhã, mostrando que os investidores vão gradativamente superando a recente realização de lucros. Por ora, dólar cede ante a maioria das divisas externas, enquanto petróleo recupera moderadamente os preços.

Interno: especulações de que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, teria desistido de tentar votar a reforma da Previdência esfria os ânimos dos investidores locais, apesar do contexto internacional positivo. Quanto aos indicadores, o IGP-10 de fevereiro mostrou alta de 0,23%, bem abaixo do 0,34% estimado pelo mercado e do 0,79% em janeiro. Na agenda de eventos, a divulgação da ata do Copom será acompanhada de forma que os investidores consigam enxergar sobre a sinalização do Banco Central de interromper o atual ciclo de baixa da taxa Selic.

Bolsa: o impulso internacional tende a manter o viés positivo para o Ibovespa, embora o espaço para superar novas resistências deve ser menor. A limitação da liquidez do mercado chinês, por conta das comemorações do ano-novo lunar e menor perspectiva de aprovação da reforma da Previdência devem diminuir o ímpeto do Ibovespa no dia.
Juros: após a queda firme nesta quarta-feira de cinzas, os juros futuros começam o dia avaliando a ata da reunião do Copom e a desaceleração do IGP-10 de fevereiro. A chance de mais um corte dos juros deve ser observada na ata, segundo analistas. Além disso, exterior positivo também tende a contribuir para um fechamento da curva à termo de juros.
Dólar: a depreciação do dólar ante a maioria das divisas externas, arrefecimento do IGP-10 e perspectivas de que a ata reforça a chance de nova queda da taxa Selic tendem a valorizar o Real frente a moeda Yankee. No entanto, o aumento da probabilidade de adiamento da reforma da Previdência para 2019 e recente volatilidade externa podem limitar o movimento.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.