Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 14/12/2017

Brasília, 14 de dezembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados reagem de forma cautelosa ao novo aumento dos juros pelo Federal Reserve por conta da visão gradualista sinalizada pela presidente da instituição, Janet Yellen. Além disso, as projeções permaneceram inalteradas pela maioria dos membros contemplando três elevações do juro em 2018. No momento, bolsas europeias e commodities caem, ao passo que o dólar ganha valor ante as moedas emergentes.

Interno: o desencontro de informações observada ontem com relação à reforma da Previdência ainda ecoa no humor dos investidores locais. Declarações de Romero Jucá sinalizando que a proposta seja votada no ano que vem reflete negativamente nas perspectivas de médio e longo prazo das contas públicas brasileiras. Em meio a essa conjuntura política, o noticiário aponta que a Fitch já ameaça rebaixar o rating do Brasil.

Bolsa: conjuntura externa negativa e imbróglio político no que tange a reforma da Previdência devem impor viés de baixa para o Ibovespa.
Juros: a descrença com o avanço da reforma da Previdência ainda neste ano pelos agentes econômicos deve pesar e levar a parte média e longa da curva de juros para o terreno positivo. Já os vencimentos mais curtos tendem a operar na estabilidade diante da recuperação bastante gradual da economia doméstica.
Dólar: a depreciação das moedas emergentes ante ao dólar e chance de a reforma da Previdência ficar para 2019 sustenta a pressão de alta da divisa norte-americana frente ao Real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.