Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 14/03/2019

Brasília, 14 de março de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: O noticiário a respeito da guerra comercial entre EUA e China revelando que um acordo pode ocorrer provavelmente até abril não retira o viés negativo de outros mercados financeiros. Números fracos de produção industrial chinesa impactam negativamente bolsas emergentes e commodities. Bolsas europeias sobem com investidores ignorando os riscos do Brexit e dando peso a previsão da Alemanha de crescimento moderado neste primeiro trimestre. Enquanto os futuros de bolsas de Nova Iorque flutuam depois dos ganhos na semana em meio a dados econômicos nem muito fortes e nem muito fracos.

Interno: O otimismo dos investidores nacionais com relação à perspectiva de avanço da reforma da Previdência terá como contrapeso o cenário externo ruim para bolsas de países em desenvolvimento e commodities, bem como a prorrogação de cerca de 100 benefícios fiscais e seus impactos nas contas públicas. No calendário, a previsão de alta das vendas no varejo de janeiro e leilão de títulos públicos pré-fixados serão os destaques.

Bolsa: O cenário externo pior para bolsas emergentes diante da desaceleração da economia chinesa associado as perspectivas fiscais brasileiras devem impor queda do Ibovespa no dia. Além disso, a queda das commodities deve impactar principalmente papéis como Vale, Gerdau, Cosan.
Juros: A alta do dólar ante as moedas emergentes (gera pressão na inflação no curto prazo) e prorrogação de benefícios fiscais com efeitos sobre as contas públicas tendem a direcionar para cima os juros futuros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A arrefecimento da economia chinesa por conta da divulgação de números fracos de produção industrial conjugado com a flexibilização dos gastos públicos nacionais pelo governo (prorrogação de benefícios fiscais e liberação de emendas parlamentares) devem pesar na taxa de cãmbio doméstica. Assim, o dólar tende a subir ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.