Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 14/02/2019

Brasília, 14 de fevereiro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: as principais bolsas europeias e os futuros de bolsas de Nova Iorque sobem nesta abertura, em meio ao avanço das commodities depois dos números melhores que o esperado da balança comercial chinesa e das expectativas com o início de importante fase das negociações comerciais entre EUA e China. A agenda do dia traz as perspectivas de alta de 0,1% na inflação ao produtor, bem como das vendas no varejo referente a economia norte-americana.

Interno: a reunião agendada do presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Economia, Paulo Guedes, é aguardada com ansiedade pelos investidores domésticos. O mercado aguarda a promessa e finalização da proposta da reforma da Previdência para esta quinta-feira onde deve ser conhecido os detalhes tais como: idade mínima, tempo de transição etc. No calendário, a projeção de queda de 0,1% do volume de serviços em dezembro do ano passado será o destaque.

Bolsa: o bom desempenho das praças acionárias externas, bem como das commodities devem impulsionar o índice paulista. Por outro lado, as expectativas com a proposta de reforma da Previdência pode limitar o movimento do Ibovespa no dia.
Juros: o fortalecimento do dólar frente as moedas externas e leilão de títulos públicos de pré-fixados devem pesar e impor alta dos juros futuros nos vencimentos de médio e longo prazo (alta, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos nos prazos superiores a um ano). Já as taxas de prazos até o fim do ano tendem a trabalhar na estabilidade amparado pela expectativa da proposta da reforma da Previdência.
Dólar: a alta da divisa norte-americana frente as moedas internacionais e o compasso de espera do investidor pela reunião à tarde do presidente Jair Bolsonaro com Paulo Guedes, ministro da Economia, tende a pressionar a taxa cambial brasileira. Desse modo, a divisa norte-americana tende a subir frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.