Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 13/02/2019

Brasília, 13 de fevereiro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Com a expectativa de que as negociações entre China e Estados Unidos avançarão, evitando a continuidade da guerra comercial, associado com a possibilidade de que o governo dos Estados Unidos consiga evitar uma nova paralisação parcial da máquina pública, conhecido como shutdown, ajudam no viés positivo dos investidores internacionais. No momento, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e petróleo sobem, enquanto o dólar oscila frente as moedas externas. A agenda de indicadores dos EUA podem movimentar os negócios diante da previsão de ligeira alta da inflação ao consumidor e de um resultado fiscal mostrando menor déficit.

Interno: na expectativa de que os médicos concedam alta ao presidente Jair Bolsonaro do hospital faz os investidores locais abrirem o dia com boa perspectiva. A interpretação é de que Bolsonaro assuma a liderança das negociações em torno da reforma da Previdência e que haja avanço nessa questão. Por outro lado, a pressão da bancada ruralista para reaver subsídios e outras vantagens que podem ter impacto de R$ 53,3 bilhões em renúncia fiscal atua como vetor negativo para o reequílibrio das contas públicas. No calendário, a previsão de alta de 2,6% nas vendas no varejo de dezembro é o destaque.

Bolsa: as transações positivas nas praças acionárias europeias e norte-ameriacanas tende a contribuir positivamente para o Ibovespa. A perspectiva de avanço da reforma da Previdência também deve reforçar o viés positivo para o índice paulista.
Juros: a oscilação da divisa estadunidense frente as moedas externas será o contraponto das expectativas de avanço da reforma da Previdência. Assim, os juros futuros tendem a cair (baixa, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: a queda do dólar frente ao real, observada ontem, deve pesar nesta abertura diante do movimento internacional de oscilação das divisas ante a moeda americana. A perspectiva de avanço da reforma da Previdência pelo mercado e possíveis novos ingressos de fluxo cambial podem limitar o movimento. Desse modo, a divisa norte-americana tende a oscilar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.