Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 13/01/2020

Brasília, 13 de janeiro de 2020

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os investidores começam a semana monitorando a proximidade do encontro sino-americano para assinatura do acordo comercial preliminar na próxima quarta-feira dia 15. Na agenda de indicadores para os próximos cinco dias estão: balança comercial e PIB da China, falas de vários membros que votam no Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc do Banco Central dos EUA) e início da divulgação de balanços de empresas financeiras dos EUA. No momento, as bolsas europeias e os futuros de bolsas de Nova Iorque sobem marginalmente. As commodities e Petróleo caem, enquanto o dólar cedia frente a maioria das divisas externas.

Interno: A recente calmaria externa não afasta as preocupações dos investidores locais diante dos ruídos entre o Palácio do Planalto e a equipe econômica. O pedido de Bolsonaro para que seja concedido subsídio nas contas de luz de templos religiosos expôs um racha que tem sido cada vez mais frequente. As divergências também ocorreram na política de reformulação do Bolsa Família, nas discussões sobre o fim do subsídio para painéis solares e no reajuste salarial de policiais do Distrito Federal (DF). Para a semana o calendário reserva números das vendas no varejo (quarta-feira) e IBC-Br do Banco Central (quinta-feira), ambos referente ao mês de novembro. Tais indicadores serão acompanhados depois da queda da produção industrial de novembro observado na semana passada.

Bolsa: A calmaria externa e depois de seis pregões de baixa do Ibovespa espera-se que o índice paulista suba no pregão regular.
Juros: A alta do dólar frente ao real (gera pressão da inflação no curto prazo) deve ter menor peso, tendo em vista a redução nas perspectivas IPCA para 2020 conforme apurou o Boletim Focus do Banco Central. Desse modo, espera-se baixa dos juros futuros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O clima de maior propensão ao risco por parte dos investidores internacionais devem ser contrabalançados pelos ruídos entre o Planalto e a equipe econômica em relação a subsídios do governo federal. Assim, epera-se volatildiade do dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.