Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 11/12/2019

Brasília, 11 de dezembro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Persiste o compasso de espera nos mercados internacionais em relação as expectativas por novidades das negociações comerciais entre EUA e China. Ademais, a expectativa de que não haverá mundanças na política monetária na reunião do Fed (Banco Central dos EUA) direciona o foco para as possíveis trajetórias da taxa de juros em 2020. No momento, bolsas europeias e futuros de bolsas de Nova Iorque trabaham com volatilidade, enquanto as commoditites agrícolas e petróleo caem. Dólar também oscila frente as moedas internacionais.

Interno: A perspectiva de desaceleração das vendas no varejo de outubro será acompanhando em conjunto com a decisão do Copom (Comitê de Política monetária). As previsões são de que a autoridade monetária reduza a taxa Selic de 5,0% para 4,5% ao ano. Vale lembrar que os analistas começam a projetar que o juro seja mantido em 4,5% para o próximo ano por conta do aquecimento da economia doméstica, bem como pela recente depreciação do real frente ao dólar. Adicionalmente, a forte demanda pelos papéis da XP Investimentos na estreia das ações na Nasdaq, em Nova Iorque, também animam os operadores locais e traz boas perspectivas de fluxo cambial para o país.

Bolsa: A cautela dos players internacionais ainda por conta da falta de notícias sobre o acordo comercial sino-americano deve limitar o ânimo dos investidores locais. Não obstante, a perspectiva de baixa da Selic e estreia das ações da XP Investimentos na Nasdaq, nos EUA, tendem a direcionar para cima o índice acionário paulista.
Juros: Em dia de decisão do Copom, a queda do dólar frente ao real (queda da inflação no curto prazo) nesta abertura e previsão de crescimento modesto das vendas no varejo tendem a impor baixa dos juros futuros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dóalr: As indefinições nas relações comerciais entre EUA e China e decisão do Fed devem ser contraposto pela estreia das ações da XP Investimentos na Nasdaq, em Nova Iorque. O fluxo cambial proporcionado pela oferta ajuda a conter uma valorização do dólar ante ao real. Assim, a moeda Yankee tende a ceder frente a divisa local.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.