Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 11/12/2018

Brasília, 11 de dezembro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: os negócios começam com viés positivo, após o governo da China emitir um comunicado indicando que estão dialogando com os norte-americanos sobre o plano de negociação comercial. Há relatos de que a conversa, por telefone, entre as duas nações envolveram compras de produtos agrícolas pela China e mudanças em políticas econômicas chinesas. Na Europa, a decisão da primeira-ministra britânica, Theresa May, pelo adiamento por tempo indeterminado da votação pelo Parlamento sobre a saída da União Europeia (Brexit) também ajuda os mercados. No momento, bolsas europeias operam em alta, enquanto os futuros de bolsas de Nova Iorque trabalham mais na estabilidade. Quanto as commodities, a perspectiva de uma solução sobre a guerra comercial entre EUA e China favorece esses ativos. Nas moedas, o dólar cede frente as maioria das divisas externas.

Interno: as articulações políticas do novo governo eleito deve ser monitorado pelos investidores locais, principalmente, a composição de apoio parlamentar para tocar as reformas econômicas. Na agenda, o Banco Central deve realizar dois leilões de linha de dólar, num total de US$ 1,0 bilhão além do início da reunião do Copom para decidir a taxa Selic e sua visão prospectiva da política monetária. Ademais, a queda de 1,16% na primeira prévia do IGP-M de dezembro, frente o recuo de 0,11% observado na mesma medição em novembro também é destaque.

Bolsa: o cenário externo melhor com alta das commodities que tende a favorecer empresas brasileiras (Petrobrás, Vale, Cosan etc) e correção de preços dos papéis após a forte queda observada ontem devem ajudar o Ibovespa a operar no azul no dia.
Juros: o alívio na taxa de câmbio doméstica diante da conjuntura externa positiva e deflação de 1,16% na primeira prévia do IGP-M de dezembro corroboram o viés de baixa para os juros futuros (queda, no dia, nos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: a conjuntura externa propensa ao risco associado ao leilão de linha de US$ 1,0 bilhão pelo Banco Central tende a conduzir uma trajetória de baixa do dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.