Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 11/09/2019

Brasília, 11 de setembro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Notícias de que a China irá isentar 16 produtos norte-americanos de aumento de tarifas ajudam a manter o clima ameno nas praças financeiras da ásia. Na Europa, as expectativas dos agentes são de novos estímulos sejam adotados pelo Banco Central Europeu (BCE) que tem decisão de política monetária previsto para amanhã. Nesse sentido, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e Petróleo sobem, ao passo que as commodities agrícolas e metálicas caem. O dólar ganha valor ante as moedas de referência (euro, libra-inglesa e iene japonês) e cede ante a maioria das moedas emergentes.

Interno: O receio do mercado com mudanças no texto original da reforma da Previdência e o conteúdo da PEC paralela (inclui Estados e Municípios) que podem reduzir o ganho fiscal ao longo de 10 anos, além de ruídos em torno de uma nova tributação sobre movimentação financeira (espécie de CPMF), sugerido pelo executivo, geram viés negativo para os ativos domésticos. Enquanto fica esses ruídos em relação as reformas, a economia real ainda segue patinando em linha com a previsão de alta modesta de 0,1% das vendas no varejo de julho.

Bolsa:  A melhora no ambiente internacional deve se sobrepor aos ruídos internos em torno da agenda de reformas e colocar o Ibovespa na trajetória de alta no dia.
Juros: A queda dólar frente a maioria das moedas emergentes (tira pressão da inflação no curto prazo) não deve ser suficiente para reverter a perspectiva de alta da curva de juros. Apoia essa previsão os patamares já baixos das taxas DIs e a projeção de alta das vendas no varejo (elevação, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A conjuntura externa positiva tende a ofuscar os ruídos políticos em torno da agenda de reformas. Assim, o dólar deve ceder frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.