Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 11/07/2017

Brasília, 11 de julho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: na falta de indicadores relevantes no dia, investidores externos operam com viés negativo com bolsas europeias, futuros de bolsa de NY e commodities operando em baixa. Nesse sentido, os players devem trabalhar olhando fatores técnicos.

Interno: em que pese a deflação da primeira prévia do IGP-M de -0,95%, os investidores locais estarão atentos a pauta no Congresso diante da perspectiva de votação da reforma trabalhista no plenário do Senado às 11hs. O governo trabalha com cerca de 42 a 43 senadores possivelmente favoráveis à reforma, são necessários no mínimo 41 deputados. Enquanto isso, segue as especulações sobre a admissibilidade da denúncia contra o presidente Temer na Câmara.

Bolsa: conjuntura externa mais avessa ao risco e alta do Ibovespa nas últimas duas sessões deve desencadear uma correção de preços no dia. As dúvidas também sobre o apoio do governo na Câmara deve reforçar a perspectiva de baixa da bolsa paulista. No entanto, a previsão de que seja votado a reforma trabalhista no Senado hoje pode limitar o movimento do índice acionário local.
Juros: a reforma trabalhista no plenário do Senado concentra as atenções, após a prévia do IGP-M mostra deflação maior que o esperado pelos analistas. Ademais, a valorização do dólar ante a maioria das moedas externas pode limitar grande oscilação na curva de juros. Por ora, a tendência que prevalece é de estabilidade para a parte curta da curva e de viés de ligeira baixa nos demais vencimentos.
Dólar: cenário externo pior diante de agenda esvaziada e perspectiva de votação da reforma trabalhista no plenário do Senado tendem a provocar volatilidade na taxa de câmbio no pregão regular.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.