Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 11/04/2019

Brasília, 11 de abril de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os mercados amanhacem ligeiramente cautelosos com investidores avaliando a recente batalha tarifária entre Estados Unidos e União Europeia, com a Airbus no centro das discussões, e também com o novo capítulo do Brexit, agora com nova data de saída do Reino Unido da União Europeia prevista para o dia 31 de outubro. Quanto ao petróleo, o relatório mensal da Agência Internacional de Energia (AIE) estimando queda da produção da commodity negra ajuda a dar força para o ativo. Já as commodities metálicas caem em meio as preocupações com a desaceleração da economia mundial. Por ora, bolsas europeias e futuros de bolsas de Nova Iorque sobem, enquanto o dólar ganha valor frente as moedas externas.

Interno: A percepção dos agentes de mercado de melhora na mobilização do governo contribui para manter o viés positivo para os ativos financeiros locais, no entanto, rumores de que partidos do Centrão querem votar a PEC do orçamento impositivo antes do início da discussão da previdência gera preopucações. A agenda prevê apenas o levantamento de produção agrícola, elaborado pelo IBGE, e leilão de títulos públicos pré-fixados.

Bolsa: A manutenção de abertura positiva nas praças acionárias da Europa e dos futuros de bolsas dos EUA deve se contrapor as incertezas com o andamento da reforma da Previdência. Nesse sentido, investidores locais tendem a manter a realização de lucros (venda de ativos para embolsar ganhos) impondo assim viés de baixa do índice acionário paulista.
Juros: As dúvidas com o crescimento econômico mundial que pressiona o dólar frente as moedas emergentes (gera pressão de curto prazo na inflação) e especulações de atraso no andamento da reforma da Previdência devem impor alta dos juros futuros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O ambiente internacional ligeiramente cauteloso e perspectiva de atraso no andamento da reforma da Previdência devem direcionar para cima o dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.