Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 11/02/2019

Brasília, 11 de fevereiro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: o retorno dos investidores asiáticos chineses depois de uma semana do feriado do Ano Novo Lunar dispara as cotações de minério de ferro que saltou 8% na China. A preocupação dos agentes refere-se as perspectivas de restrição da oferta do insumo no curto prazo, uma vez que o recente desastre da Vale em Brumadinho (MG) teve efeitos sobre a produção da mineradora brasileira. Contudo, as expectativas pela nova rodada de negociações comerciais entre EUA e China, que começa hoje em Pequim, traz cautela. No momento, bolsas europeias e futuros de bolsas de Nova Iorque sobem, enquanto o petróleo e commodities agrícolas e metálicas caem. O dólar ganha valor frente a moedas externas.

Interno: as negociações da reforma da Previdência seguem no foco dos operadores locais onde será acompanhado nova reunião do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Casa Civil com o ministro Onyx Lorenzoni. Na tentativa de ampliar o apoio popular sobre a reforma no sistema de aposentadorias, a equipe econômica está reunindo informações que devem mostrar que 18 países desvinculam benefício assitencial de salário mínimo. Isso seria uma forma de diminuir as resistências já que tal assunto foi atacado após a mídia revelar a minuta da proposta. Na agenda da semana serão destaques a ata do Copom (Comitê de Política Monetária), vendas no varejo e volume de serviços de dezembro e 2018, além do Índice de Atividade do Banco Central (IBC-BR) referente ao ano passado.

Bolsa: as transações positivas nas praças acionárias europeias e norte-ameriacanas tende a contribuir positivamente para o Ibovespa, apesar da queda das commodities nos mercados ocidentais.
Juros: o fortalecimento da divisa estadunidense frente as moedas externas e seus efeitos de curto prazo na inflação na visão dos agentes terá como contraponto a queda nas projeções de inflação conforme divulgado pelo boletim Focus do Banco Central. Adicionalmente, a falta de novidades sobre a reforma da Previdência também deve influenciar os juros futuros. Assim, os juros futuros tendem a subir (alta, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: o clima positivo na renda variável nos mercados internacionais tende a ser ofuscado pelas incertezas em relação a nova rodada das negociações comerciais entre EUA e China. Além disso, sem notícias novas relevantes sobre a reforma da Previdência, a divisa norte-americana tende a subir frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.