Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 11/01/2019

Brasília, 11 de janeiro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: em uma semana marcada pelas negociações comerciais entre EUA e China, investidores seguirão de olho nessa questão depois das informações de que o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, está planejando uma viagem aos Estados Unidos para dar continuidade às essas negociações no fim do mês. Agora o foco dos agentes se direciona para a indicação do presidente do Fed (Banco Central dos EUA), Jerome Powell, de que será conduzido com paciência o ciclo de alta do juro básico norte-americano. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities operam em alta, enquanto o dólar cede ante a maioria das divisas externas.

Interno: em perfil no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro disse que “ficou claro que a soberania e os interesses da Nação estão preservados” no que diz respeito a venda da Embraer à Boeing. Essa aprovação para a parceira entre as duas empresas de aviação dão viés positivo para os papéis da Embraer cujas ações negociadas nos EUA dispararam mais de 7% no after market. Enquanto isso, as expectativas com o andamento da reforma da Previdência seguem no foco diante do tamanho da resistência junto ao Congresso e aos militares. Na agenda, a previsão de alta moderada de 0,12% em dezembro, frente a queda de 0,21% em novembro, e leilão de swap cambial pelo Bacen no montante de US$ 670 milhões são os destaques.

Bolsa: o desempenho positivo das praças acionárias na Ásia e na Europa por conta dos sinais de continuidade das negociações comerciais sino-americanas e aprovação pelo governo Bolsonaro para a venda da Embraer à Boeing devem ajudar o movimento de alta do Ibovespa. Contudo, a alta dos útlimos três dias pode limitar o avanço da bolsa paulista.
Juros: o cenário externo positivo. expectativas de alta moderada do IPCA de dezembro e aprovação da compra da Embraer pela Boeing devem colocar os juros futuros em baixa (queda, no dia, nos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: a fraqueza dos dólar frente as moedas externas diante das expectativas de continuidade das negociações entre EUA e China no fim do mês e aval à operação Embraer-Boeing pelo governo Bolsonaro tendem a motivar queda do dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.