Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 10/09/2018

Brasília, 10 de setembro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: preços dos ativos financeiros atrativos no Japão, após seis pregões de baixa e dados positivos no Reino Unido sustentam o viés positivo nas praças financeiras internacionais. Não obstante, os investidores seguem preocupados com a disputa comercial entre EUA e China. Em Nova York, os futuros de bolsa também oscilam em alta, apontando retomada de parte das perdas de sexta-feira. Por ora, petróleo sobe e commodities metálicas caem, enquanto o dólar oscila entre as moedas internacionais.

Interno: a 27 dias das eleições, a disputa presidencial ocupa o centro das atenções no Brasil diante das incertezas, até o momento, do candidato com maior chance de ganhar as eleições. Nesta manhã foi divulgada nova pesquisa do BTG, feita nos dias 8 e 9 de setembro no qual, em um cenário sem o ex-presidente Lula, mostra melhora das intenções de voto de Bolsonaro (de 21% para 26%), enquanto os demais candidatos apresentam manutenção de seus percentuais de voto. Lembrando que a pesquisa foi realizada após a facada que Bolsonaro levou na útlima quinta-feira. Na agenda, o boletim Focus mostrou apenas redução das expectativas do IPCA para este ano que passou de 4,16% para 4,05%.

Bolsa: o bom humor dos investidores estrangeiros, mesmo com as incertezas protecionistas, e agenda de indicadores esvaziada tendem a ajudar o movimento de alta do Ibovespa. Ademais, o crescimento de 20% das importações chinesas na comparação anual em agosto também auxilia as commodities e os países produtores.
Juros: a disputa eleitoral segue no radar dos agentes após o atentado a faca sofrido pelo candidato a presidência Jair Bolsonaro, bem como pelo anúncio pelo PT do nome do ex-prefeito Fernando Haddad como substituto do ex-presidente Lula. Além disso, a oscilação do dólar frente as demais moedas, mas com viés de alta da divisa norte-americana tendem a elevar os juros futuros em todos os prazos (afeta custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: a volatilidade do dólar frente as demais moedas internacionais por conta de algumas notícias positivas no Reino Unido e Japão e outras informações preocupantes com relação a guerra comercial entre EUA e China tendem a contaminar as taxas de câmbio ao redor do mundo. Por aqui o dólar deve operar em alta frente ao real devido à ajustes que refletem informações de sexta-feira quando o mercado estava fechado.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.