Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 10/04/2019

Brasília, 10 de abril de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Mercados abrem com tom positivo mesmo com os investidores monitorando uma série de assuntos, como a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), divulgação do relatório mensal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a disputa comercial entre Estados Unidos e a Europa, previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e a reunião emergencial do Conselho Europeu para tratar do Brexit, como é conhecida a saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e petróleo sobem, enquanto as commodities metálicas caem. O dólar cede frente as moedas emergentes.

Interno: A aprovação pela admissibilidade da reforma da Previdência na Comisssão de Constituição e Justiça (CCJ) onde o governo demonstrou maior presença e acordo entre a União e Petrobrás sobre a questão da cessão onerosa, que viabiliza o leilão previsto para outubro, tendem ajudar os ativos financeiros domésticos. Na agenda, a perspectiva de alta de 0,63% do IPCA de março, acelerando em relação ao registrado em fevereiro 0,43%, e falas do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos em eventos em Nova Iorque são os destaques.

Bolsa: A alta das praças acionárias da Europa e dos futuros de bolsas dos EUA serão contrabalançados pelos ganhos recentes do Ibovespa. Nesse sentido, investidores locais devem aproveitar para realizar lucros (venda de ativos para embolsar ganhos) impondo assim viés de baixa do índice acionário paulista.
Juros: A conjuntura externa positiva com o dólar fraco frente as moedas emergentes (tira pressão de curto prazo na inflação) deve ser ofuscada pela perspectiva de alta do IPCA de março. Desse modo, os juros futuros tendem a subir (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O ambiente internacional melhor e melhora na perspectiva de avanço da reforma da Previdência devem direcionar para baixo o dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.