Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 09/10/2019

Brasília, 09 de outubro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Mesmo após o governo americano ter incluído empresas chinesas em uma “lista negra” nesta semana, o noticiário informa que o país asiático estaria disposto a fechar um acordo comercial parcial com Washington. Os chineses propuseram comprar mais US$ 10 bilhões em produtos agrícolas dos EUA anualmente visando evitar um novo aumento de tarifas americanas sobre bens do país. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities sobem. O dólar trabalha em baixa ante as divisas emergentes.

Interno: O alcance do acordo sobre a divisão dos recursos da cessão onerosa é bastante positivo, pois ajuda a destravar a votação da reforma a Previdência no Senado prevista para o dia 22 deste mês. Não obstante, a crise entre o presidente Jair Bolsonaro e o PSL amplifica as dúvidas sobre a governabilidade. Na agenda, a projeção de alta modesta de 0,02% do IPCA de setembro reforça uma inflação bastante comportada.

Bolsa: A esperança de algum alento nas negociações comerciais entre EUA e China impulsionam positivamente as bolsas internacionais e devem servir de estímulo para o Ibovespa ficar trabalhando no azul no dia.
Juros: A queda do dólar frente as moedas emergentes (tira pressão da inflação no curto prazo) e expectativa de IPCA rondando bem abaixo da meta (4,25%) tendem a impor baixa da curva de juros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A valorização das divisas emergentes por conta da melhora do humor dos operadores internacionais, acordo da cessão onerosa e perspectiva de influxo de capital (ofertas de ações na B3) tendem a depreciar o dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.