Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 09/04/2019

Brasília, 09 de abril de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Sem indicadores econômicos relevantes os agentes absorvem os planos da China para relaxar restrições para o setor imobiliário em várias cidades menores e de ampliar gastos em infraestrutura. Apesar do viés positivo na Ásia, investidores estão preocupados com a nova safra de balanços dos EUA, que, segundo analistas, deverá mostrar a primeira piora nos resultados desde 2016. Ademais, a proposta de Washington de aplicar tarifas sobre produtos europeus no valor de US$ 11 bilhões, como forma de retaliação a subsídios aéreos concedidos no continente também preocupa. Por ora, bolsas europeias sobem marginalmente e futuros de bolsas de Nova Iorque caem. As commodities sobem, enquanto o dólar abre enfraquecido frente as moedas externas.

Interno: A leitura do parecer do relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Marcelo Freitas (PSL-MG), será acompanhado pelos investidores domésticos. As expectativas são pela admissibilidade do texto que deve ser apresentado às 14:30. Além disso, Bolsonaro vai retomar hoje as conversas com dirigentes partidários e deve receber os representantes do Solidariedade e PR. No calendário de indicadores, a perspectiva de queda das vendas no varejo referente ao mês de fevereiro será o destaque.

Bolsa: Embora as praças acionárias da Ásia tenham fechado no azul, as preocupações dos investidores internacionais com o desempenho da economia mundial limita os ganhos dos mercados europeus e derruba as bolsas norte-americanas. Depois de três pregões de alta, o Ibovespa pode passar por correção de preços com operadores aproveitando para realizar lucros. Assim, o Ibovespa tende a cair no dia.
Juros: Apesar da conjuntura externa ainda instável, o dólar fraco frente as demais moedas (tira pressão de curto prazo na inflação) e perspectiva de números fracos das vendas no varejo tendem a impor baixa dos juros futuros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O ambiente internacional pouco mais volátil, mas com dólar enfraquecido ante as moedas externas e otimismo com a perspectiva de avanço da reforma da Previdência devem direcionar para baixo o dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.