Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 09/01/2020

Brasília, 9 de janeiro de 2020

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os indícios de que EUA e Irã optaram pela redução nas tensões e por um clima mais brando aliviam os mercados internacionais nesta quinta-feira. Redirecionando o foco, os investidores voltam suas atenções para a proximidade do encontro sino-americano para assinatura do acordo comercial preliminar no próximo dia 15. No momento, as bolsas europeias, os futuros de bolsas de Nova Iorque e as commodities sobem, enquanto o dólar cedia frente as divisas emergentes e ganhava valor ante as moedas de referência (euro, libra-inglesa e iene japonês).

Interno: A melhora em relação as tensões no Oriente Médio deve influenciar os negócios internamente. Contudo, o governo vem debatendo a volatilidade dos preços dos combustíveis em épocas de crise e a expectativa é que até março apresente um instrumento que sirva para equalizar esses valores em momentos de alta da cotação do Petróleo. Para alguns, essas propostas são vistas como ingerência na política de preços da Petrobrás e podem atrapalhar o desempenho das ações da empresa. Na agenda, a previsão de queda de 0,5% da produção industrial de novembro, depois da alta de 0,8% em outubro será o destaque.

Bolsa: O clima externo mais ameno deve estimular a compra de papéis depois de quatro dias de baixa do Ibovespa. Assim, o índice paulista tende a subir no pregão regular.
Juros: Apesar da situação externo ainda inspirar cautela, a queda das taxas DIs nos últimos dias sugere alguma pequena correção de preços e tende a pressionar os juros futuros. Desse modo, espera-se leve alta dos juros futuros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A diminuição das tensões no Oriente Médio e agenda fraca internamente deve manter o dólar oscilando perto do fechamento de ontem.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.