Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 08/06/2018

Brasília, 08 de junho de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados internacionais operam com viés negativo diante das preocupações com a reunião de cúpula do G-7 e seus efeitos sobre o comércio global, bem como pelas expectativas de que o Federal Reserve eleve os juros básico pela segunda vez este ano. Além disso, as especulações de que o Banco Central Europeu (BCE) poderá decidir sobre o fim de seu programa de compra de títulos também geram mau humor entre os investidores. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsa de Nova Iorque e commodities operam em baixa, ao passo que o dólar ganha valor ante a maioria das divisas internacionais.

Interno: o estresse observado ontem no mercado financeiro doméstico por conta da disparada do dólar e dos juros futuros fez o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, se manifestar e dizer que o país tem instrumentos adicionais para conter o excesso de volatilidade. Essa manifestação da autoridade monetária pode aliviar o câmbio. Ademais, a percepção de falta de coordenação no governo federal diante do impasse com a tabela do frete dos caminhoneiros e suas consequências para os setores industriais e do agronegócio segue no radar. Na agenda de indicadores, a alta de 0,4% do IPCA de maio, acima da mediana das expectativas de 0,3%, será digerido pelos agentes locais.

Bolsa: o ambiente internacional pior diante das expectativas de normalização da politica monetária nos EUA e pelas incertezas comerciais segue pressionando os aitvos emergentes. A queda das commodities e incertezas políticas e econômicas brasileiras reforçam o viés de queda para a Bovespa no dia.
Juros: a forte alta dos prêmios imputados na curva de juros nos últimos pregões aliado à fala do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, tendem a contribuir para a baixa na estrutura à termo de juros doméstico. A alta do IPCA de maio será absorvido pelos agentes ao longo da sessão regular.
Dólar: a fala do presidente do Bacen, Ilan Goldfajn, ontem, na tentativa de acalmar os mercados devem favorecer o real frente ao dólar no dia. Ilan falou que o órgão regulador tem instrumentos para minimizar a volatilidade como os leilões de linha e as reservas internacionais. Além disso, anunciou que irá oferecer US$ 20 bilhões em contratos de swap cambial adicionais aos montantes de US$ 750 milhões que já são oferecidos.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.