Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 06/09/2018

Brasília, 06 de setembro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: perspectivas de novas ações protecionistas do governo norte-americano contra produtos chineses segue como fonte de preocupação dos investidores internacionais diante dos efeitos sobre os países emergentes. A China é grande parceiro comercial de nações produtoras de commodities e uma guerra comercial do país asiático com os norte-americanos pode diminuir o consumo da segunda maior economia do globo. No momento, dados do mercado de trabalho do setor privado ADP dos EUA será monitorado pelos investidores externos. Por ora, bolsas europeias e futuros de bolsa de Wall Street operam sem direção definida, enquanto o dólar cede ante as moedas de referência (euro, libra inglesa e iene japonês) e oscila frente as moedas emergentes.

Interno: novos números do Ibope sobre a corrida eleitoral movimenta os negócios locais. A primeira leitura dos analistas revelam que o pequeno crescimento (7% para 9%) do candidato Geraldo Alckmin (PSDB) e a consolidação de Jair Bolsonaro (PSL) na liderança da corrida presidencial com 22% das intenções de voto pode gerar uma reação positiva do mercado. Vale lembrar também que houve crescimento de três pontos de Ciro Gomes (PDT), para 12% das intenções de voto, enquanto Marina (Rede) seguiu no mesmo patamar de 12%. O candidato Fernando Haddad (PT), substituto do ex-presidente Lula, apresentou crescimento de dois pontos e atingiu 6% das intenções de voto. Na agenda de indicadores, a perspectiva de que o IPCA de agosto registre pequena deflação de 0,01% completa os eventos que agitam os negócios internos.

Bolsa: em que pese as dúvidas protecionistas lá fora, investidores locais devem aproveitar para corrigir preços dos papéis depois que o Ibovespa saiu do patamar de 78.388 pontos dia 29/08 para alcançar 75.092 pontos no fechamento de ontem. Assim, o Ibovespa deve subir no dia.
Juros: pesquisa Ibope sobre a corrida eleitoral e queda do dólar frente ao real, nesta abertura, deve ajudar os juros futuros a operarem em queda para todos os vencimentos. Ademais, a decisão do Tesouro Nacional de perseguir até o fim do ano a participação (entre 33% e 37%) da dívida pública em papéis atrelados à Selic é vista pelos agentes financeiros como uma boa estratégia em momentos de volatilidade no cenário doméstico e internacional.
Dólar: a reação positiva dos agentes locais aos resultados da pesquisa Ibope sobre a corrida eleitoral e o exterior mais tranquilo tendem a tirar a pressão da taxa de câmbio. Assim, o real deve valorizar marginalmente frente ao dólar na sessão regular.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.