Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 06/08/2019

Brasília, 6 de agosto de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os mercados esboçam uma reação nesta abertura, após o PBoC (Banco Central da China) estabelecer uma taxa de câmbio de referência de 7,00 yuans/USD. A mensagem que o país asiático tenta passar é de que busca conter novas depreciações de sua moeda para evitar ser rotulada de manipuladora cambial. Contudo, o clima bastante negativo nas relações sino-americanas foi reforçada depois que os EUA acusaram os chineses de serem manipuladores cambiais. No momento, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e Petróleo sobem, enquanto o dólar cede ante a maioria das divisas externas.

Interno: O ambiente internacional deve seguir influenciando os preços dos ativos domésticos nesta terça-feira, mas fatores locais voltam ao foco, com a ata do Copom e a expectativa pela aprovação da reforma da Previdência. No caso da ata do Copom, a piora externa recente não foi captada pelo Comitê do Bacen e com isso pode reduzir a reação do mercado ao documento.

Bolsa: A melhora do cenáro externo e expectativa de aprovação da reforma da Previdência em 2º turno na Câmara dos Deputados devem ajudar na recuperação de preços dos papéis que compõem o Ibovespa.
Juros: O fechamento das taxas futuras perto das máximas ontem (sugere correção de preços), alívio na taxa de câmbio doméstica (tira pressão de curto prazo da inflação) e expectativas de aprovação da reforma da Previdência tendem a colocar em baixa os juros futuros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: Após acumular alta de 4,87% nas últimas seis sessões, o dólar tende a operar em ligeira queda ante ao real. Ampara também essa perspectiva fatores locais como previsão de aprovação da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.