Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 06/06/2019

Brasília, 06 de junho de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Os preços dos ativos financeiros amanhecem ganhando valor diante das expectativas de corte e juros nos EUA neste ano, bem como à espera pela decisão do Banco Central Europeu (BCE) e sua indicação para a condução da política monetária. Por outro lado, as preocupações com a guerra comercial seguem no radar após Donald Trump mencionar que poderá aumentar as tarifas sobre o restante das importações chinesas, no montante de US$ 300 bilhões. Por ora, bolsas europeias e futuros de bolsas de Wall Street operam em alta, ao passo que o dólar cede ante a maioria das divisas emergentes. As commodities metálicas sobem, enquanto as agrícolas caem. Petróleo sobe.

Interno: As dificuldades políticas do governo voltam ao foco depois do impasse na votação do crédito suplementar e das discussões entre parlamentares do PSL. A retomada do julgamento da venda de subsidiárias de estatais sem a necessidade de aprovação do Congresso (privatizações) no STF e a votação do Projeto de Lei do saneamento estarão no radar dos investidores. Notícias de que o governo já teria 310 votos para a reforma da Previdência tende a contribuir para o ânimo dos investidores locais. Na agenda, o leilão de títulos públicos federais pré-fixados e números da produção de veículos serão os destaques.

Bolsa: A conjuntura externa segue positiva por conta das expectativas de que o Federal Reserve (Banco Central dos EUA) possa cortar os juros e pela possibilidade de mais estímulos monetários pelo Banco Central Europeu (BCE). Notícia de que o governo já teria os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência também deve colocar o Ibovespa para cima.
Juros: A queda do dólar ante as moedas emergentes (tira pressão da inflação no curto prazo) e informações de que o governo teria os votos necessários para aprovar o sistema de aposentadorias tendem a puxar para baixo os juros futuros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar:  O ambiente internacional melhor e noticiário dando conta de que o governo teria os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência devem impor queda do dólar ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.