Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 05/09/2018

Brasília, 05 de setembro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: sem números da economia mundial relevantes para serem divulgados, permanece o quadro de elevada aversão ao risco nos mercados internacionais. As preocupações com o protecionismo e a situação delicada de países emergentes, em especial, Argentina e Turquia impõem queda das bolsas e mantém o dólar fotalecido ante as divisas fortes (euro, libra inglesa e iene japonês) e de países em desenvolvimento.

Interno: sem novidades da pesquisa eleitoral realizada pelo Ibope, na semana passada, com patrocínio do Estadão e da TV Globo, deixam os investidores sem referência nesta abertura. Assim, os players domésticos direcionam as atenções para o ambiente externo e seguem preocupados com o risco político. Na agenda de eventos, o Banco Central faz leilão de até US$ 545 milhões em contratos de swap cambial.

Bolsa: a persistência do mau humor dos investidores internacionais em relação a tensões comerciais envolvendo EUA e seus parceiros e incertezas políticas domésticas seguem como vetores para a tendência de baixa do Ibovespa na sessão regular.
Juros: a alta do dólar no mercado internacional e as dúvidas quanto a gestão fiscal brasileira nos próximos anos, diante das indefinições políticas, tendem a pressionar para cima os juros futuros de todos os prazos (impactam os custos de aplicação e captação dos bancos).
Dólar: a alta do dólar frente as moedas de referência (euro, libra inglesa e iene japonês) e divisas emergentes aliado a falta de divulgação de pesquisas eleitorais brasileiras deixam o real operando com viés de baixa frente a moeda norte-americana. Outro leilão de swaps cambiais da ordem de US$ 545 milhões pelo Banco Central brasileiro deve limitar o movimento de apreciação do dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.