Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 05/09/2017

Brasília, 05 de setembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: a reabertura em Wall Street após o feriado sugere um dia de menor aversão ao risco com investidores relativizando as tensões entre a Coreia do Norte e EUA. Por ora, os players reagem ligeiramente positivo aos dados da atividade econômica chinesa que ajudam as cotações das commodities. Por outro lado, as bolsas europeias e futuros de bolsa de NY ainda trabalham na cautela por conta dos rumores de que o regime norte-coreano se prepara para lançar outro míssil balístico.

Interno: os fatos novos ligados à delação dos executivos da JBS, que poderá ser anulada diante da omissão de informações, tem potencial para enfraquecer nova denúncia que possa surgir da PGR no curto prazo. Nesse sentido, prevalece a percepção de maior chance de conclusão do mandato presidencial e até mesmo avanços na pauta econômica.

Bolsa: em que pese o viés ligeiramente negativo nas bolsas externas, alta das commodities e fatos novos ligados à delação da JBS devem impulsionar o Ibovespa no dia.
Juros: o início da reunião do Copom cujas expectativas são de queda de 1pp, que já estão precificadas, são fatos adicionados ao revés na delação da JBS e devem movimentar os negócios. O risco de ser anulada a colaboração da JBS à PGR ajuda a tirar força de uma segunda denúncia criminal contra o presidente Michel Temer. Assim, investidores tendem a retirar prêmios da curva de juros, haja vista a perspectiva de avanço da pauta econômica.
Dólar: o ambiente internacional ainda negativo deve ser contrabalançado por problemas com as delações dos executivos da JBS, apontadas pela PGR. Tal fato equilibra um pouco o ambiente negativo enfrentado pelo Planalto e favorece o avanço da pauta econômica. Assim, o dólar deve ceder ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.