Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 04/10/2019

Brasília, 04 de outubro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Investidores abrem os negócios à espera de importantes sinais do mercado de trabalho dos EUA para tentar medir a disposição do Fed (Banco Central norte-americano) em manter o afrouxamento monetário. As expectativas são de criação de 150 mil postos de trabalho americanos, mas os operadores querem monitorar a evolução dos salários, haja vista que nos últimos levantamentos houve aceleração. No momento, bolsas europeias operam de lado, enquanto os futuros de bolsas de Nova Iorque caem. As commodities metálicas também trabalham em baixa e o Petróleo sobe. O dólar oscila ante as moedas de referência (euro, libra-esterlina e iene japonês), mas perde ante maioria da divisas emergentes.

Interno: O mal estar entre o governo e Senado por conta da diluição da proposta da reforma da Previdência com perda de economia fiscal segue monitorada pelos agentes. O governo tenta propor nova divisão de recursos do megaleilão de petróleo da área do pré-sal, além de rever as distribuições previstas da cessão onerosa do Petróleo pelos próximos trinta anos entre os entes federativos. A agenda doméstica segue esvaziada para hoje.

Bolsa: As bolsas externas oscilam por conta da cautela com os números do mercado de trabalho dos EUA. Ademais, os investidores domésticos irão monitorar a articulação política do governo para apaziguar as recentes divergências com o Senado. Assim, o Ibovespa deve trabalhar com volatilidade no dia.
Juros: A fraqueza do dólar frente a boa parte das moedas emergentes, inclusive frente ao real (tira pressão da inflação no curto prazo) e expectativas de cortes de juros nos EUA pelos investidores internacionais tendem a contribuir para a baixa da curva de juros (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: No aguardo dos dados de emprego dos EUA que podem ampliar as apostas de queda dos juros norte-americano, operadores locais devem abrir os negócios impondo apreciação do real frente ao dólar.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.