Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 04/10/2018

Brasília, 04 de outubro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: declarações otimistas do presidente do Federal Reserve (Banco Central dos EUA), Jerome Powel, sobre a economia geram apostas crescentes pelos investidores em alta mais rápida dos juros pela autoridade monetária norte-americana. Esta fala estimula a alta das taxas de juros futuros para papéis do governo dos EUA atraindo investidores para estes títulos considerados mais seguros e vendendo ativos de risco (bolsas, moedas externas, commodities etc). Por ora, bolsas europeias e futuros de bolsas de Nova Iorque operam em baixa, enquanto o dólar se valoriza ante as moedas internacionais.

Interno: a pesquisa Ibope para presidente, divulgada ontem à noite, indicou que a maior probabilidade de haver segundo turno no pleito presidencial e que deve ser disputado entre os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Alguma cautela deve ser registrada hoje com seus efeitos sobre os preços dos ativos financeiros após dois dias de intenso movimento positivo para bolsa, câmbio e juros futuros.

Bolsa: As preocupações com a chance de alta dos juros nos EUA de forma mais rápida por conta do aquecimento da economia norte-americana deve pesar mais sobre os papéis da bolsa paulista. Ademais, a pesquisa Ibope indicando a tendência maior de ocorrer segundo turno para a eleição presidencial entre os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fenando Haddad (PT) ratifica o viés de baixa do Ibovespa na sessão regular.
Juros: Fala do presidente do Fed, Jerome Powell, sobre o otimismo econômica nos EUA gerou a percepção nos agentes de que os juros norte-americano deve subir de forma mais rápida e deve pressionar os juros futuros doméstico. Além disso, à última pesquisa Ibope mostrando que deve haver segundo turno para o pleito presidencial completam os eventos do dia. Assim, os juros futuros tendem a subir (implica, no dia, aumento dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A alta do dólar frente as demais divisas externas em função das perspectivas de elevação dos juros dos EUA mais rápido do que o esperado deve pesar e depreciar o real frente a moeda norte-americana.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.