Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 04/04/2019

Brasília, 04 de abril de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Após um período de valorização dos ativos, investidores aproveitam os fracos dados de encomendas à indústria da Alemanha para realizar lucros (venda dos ativos para embolsar ganhos recentes). Outro fator de pretexto para correção de preços está relacionado ao risco do Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) sem acordo. De positivo segue as expectativas acerca das negociações comerciais entre EUA e China. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities metálicas operam em baixa, enquanto o dólar ganha frente as moedas externas.

Interno: A sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), realizada ontem para debater a reforma da Previdência, reacendeu o alerta, ao expor um clima bastante hostil e a ausência de vozes do governo para defender a proposta. Nessa linha, o encontro do presidente Jair Bolsonaro com líderes partidários hoje será uma oportunidade para que o Planalto monte uma base capaz de contrapor discursos contrários a reforma da Previdência. Na agenda tem leilão de títulos públicos pré-fixados pelo Tesouro Nacional.

Bolsa: A redução do apetite ao risco no exterior conjugado com a percepção de que será longo e difícil a tramitação da reforma da Previdência tendem a direcionar para baixo o Ibovespa.
Juros: Conjuntura externa pior com alta do dólar frente as moedas internacionais (gera pressão de curto prazo na inflação) e perspectiva de avanço bastante lento da reforma da Previdência devem pressionar os juros futuros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O ambiente internacional ruim e expectativa de um processo longo e difícil para a tramitação da reforma da Previdência devem impor alta do dólar frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.