Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 03/07/2019

Brasília, 03 de julho de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: As praças financeiras europeias abriram no azul por conta da nomeação da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, como presidente do Banco Central Europeu (BCE), em substituição a Mario Draghi. Essa mudança no comando do BCE segundo analistas mantêm o viés pró estímulos monetários. Na agenda, os números do mercado de trabalho do setor privado nos EUA (ADP) com previsão de aumento de 140 mil novos postos será o destaque. No momento, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities sobem, enquanto o dólar mantém altos e baixos ante as demais divisas.

Interno: As questões em aberto para serem resolvidas em relação a reforma da Previdência segue no foco dos investidores domésticos. O impasse gerado pela pressão do segmento de segurança pública, que encontra vozes no próprio partido do governo, preocupa os agentes financeiros, pois pode impactar a perspectiva de economia em 10 anos. Nesse sentido, os operadores irão monitorar a reunião fechada convocada pelo presidente da Comissão Especial, deputado Marcelo Ramos, para definir uma data para se votar o relatório da reforma previdenciária.

Bolsa: O anúncio de que a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, assumirá o comando do BCE melhora o ambiente externo. Não obstante, os rumos e indefinições da tramitação da reforma da Previdência deve pesar negativamente para o Ibovespa.
Juros: A volatilidade do dólar ante as moedas externas (gera pressão na inflação no curto prazo) e dúvidas em relação ao avanço da reforma da Previdência tendem a colocar os juros futuros na trajetória de alta (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A conjuntura internacional positiva será contrabalançado pelas incertezas com o avanço na tramitação da reforma da Previdência. Assim, deve prevalecer o cenário interno indefinido com efeitos de depreciação do real frente ao dólar.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.