Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 03/05/2017

Brasília, 03 de maio de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: investidores internacionais começam o dia em tom cauteloso, no aguardo de dados de atividade nos EUA e, principalmente, da decisão do FOMC na tarde de hoje. Os agentes querem ver alguma indicação quanto a possibilidade do Fed elevar o juro básico em junho, pois não há consenso no mercado para esta expectativa. Bolsas europeias e commodities metálicas operam em baixa, enquanto o dólar sobe ante a maioria das divisas externas reforçando a precaução dos investidores.

Interno: as atenções estão direcionadas para a Comissão Especial da reforma da Previdência, que pode votar hoje o texto do relator, Arthur Maia. Os investidores esperam que seja aprovada, porém o placar da votação será um importante sinal quanto a chance de votação em Plenário. Ademais, o risco é de que ocorra novas concessões para grupos específicos (policiais legislativos, penitenciários etc).

Bolsa: as três últimas altas do Ibovespa tendem a motivar correção de preços do principal índice acionário nacional. Além disso, a previsão de nova queda da produção industrial no mês de março devem manter o viés de baixa dos papéis que compõem o índice.
Juros: os DIs futuros tendem a operar em baixa diante das previsões de queda da atividade fabril em março, bem como pela expectativa de aprovação na Comissão Especial da reforma da Previdência.
Dólar:  o ambiente externo mais avesso ao risco tende a pressionar o dólar ante ao real. No entanto, a perspectiva de aprovação do relatório da reforma da Previdência junto à Comissão Especial da Câmara dos Deputados pesa à favor do real. Nesse sentido, a taxa de câmbio deve operar com volatilidade no dia.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.