Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 02/08/2019

Brasília, 2 de agosto de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: A aversão ao risco elevou depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu taxar mais importações americanas da China (10% sobre US$ 300 bilhões) a partir de setembro. O acirramento da disputa comercial afetam o humor dos investidores ao redor do globo. Na agenda, os dados de mercado de trabalho dos EUA será um importante direcionador dos operadores, haja vista que as previsões são de números robustos. No momento, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities metálicas caem, enquanto o petróleo sobem corrigindo perdas de ontem. O dólar ganha valor ante a maioria das divisas externas.

Interno: Sem muitas novidades por aqui, os investidores locais operam se apegando a aversão global ao risco que prepondera no exterior. Ademais, o cenário político segue no monitoramento, após uma série de declarações e atos polêmicos do presidente Jair Bolsonaro. O balanço da Petrobrás será o destaque do dia.

Bolsa: A piora do ambiente financeiro global por conta da disputa comercial sino-americana tende a contaminar negativamente o Ibovespa.
Juros: A queda firme dos DIs ontem e a alta do dólar frente as moedas externas devem impor correção da curva de juros doméstica. Desse modo, os juros futuros devem subir (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O acirramento da disputa comercial entre EUA e China tende a pressionar a taxa de câmbio local. Assim o dólar tende a subir frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.