Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 01/06/2018

Brasília, 01 de junho de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: a melhora no cenário político europeu com a formação de um novo governo na Itália, depois de várias tentativas, e da decisão do parlamento da Espanha pela saída do primeiro-ministro, Mariano Rajoy, do governo ajudam as praças financeiras a operarem no azul. No entanto, as tensões comerciais seguem no radar depois da decisão dos EUA de aplicar tarifas a importações de aço (25%) e alumínio (10%) do Canadá, do México e da União Europeia a partir de hoje. Na agenda de indicadores, a perspectiva de bons números de emprego e renda dos EUA devem impactar os preços dos ativos de financeiros, especialmente câmbio e juros. Por ora, petróleo cai e dólar ganha ante boa parte das divisas externas. Futuros de bolsa de Wall Street operam positivamente.

Interno: as medidas fiscais adotadas pelo governo por conta do acordo com os caminhoneiros ajudam a percepção positiva dos investidores nacionais pois mostra comprometimento do governo com os resultados das contas públicas. Por outro lado, as discussões sobre o impacto da subvenção para o diesel sobre a atividade econômica nacional pode gerar cautela.

Bolsa: a despeito da melhora no ambiente financeiro no velho mundo, a piora nas tensões comerciais entre os EUA e União Europeia, México e Canadá deve piorar o humor dos investidores estrangeiros ao longo do dia. Ademais, os debates sobre a subvenção para o diesel pelo governo e seus efeitos sobre a Petrobrás e as contas públicas reforçam o viés de baixa para o Ibovespa no dia.
Juros: os leilões extraordinários do Tesouro Nacional de papéis de longo prazo pode amortecer a tendência de alta da curva à termo de juros. A liquidez reduzida por conta do feriado e cenário externo tendem a manter a pressão de alta nos prêmios dos DIs.
Dólar: conjuntura externa ainda volátil diante das tensões comerciais, expectativas com os números do mercado de trabalho norte-americano e discussões sobre a subvenção para o diesel pelo governo brasileiro devem impor nova rodada de depreciação do real ante ao dólar.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.