Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 01/06/2017

Brasília, 01 de junho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: em que pese o indicador de manufatureiro da China tenha decepcionado, investidores internacionais operam com viés positivo na esteira da alta de petróleo e bolsas europeias. Ajuda também indicadores da Alemanha mostrando que o país continua puxando a atividade da zona do euro. Por ora, são aguardados para o dia números do mercado de trabalho privado (ADP) e da atividade industrial dos EUA.

Interno: a decisão do Copom de reduzir a taxa Selic em 1pp para 10,25% ao ano, ontem à noite, e sinalizar um ritmo mais comedido de corte nas próximas reuniões por conta das incertezas políticas deve nortear os negócios. Ademais, a perspectiva do mercado de que o PIB no 1T17 tenha crescido 0,9% reforça o clima mais ameno para os ativos financeiros locais.

Bolsa: ambiente externo favorável, redução da taxa Selic e estimativa de que o PIB do 1T17 - do Brasil - apresente crescimento de 0,9% tendem ajudar os papéis das companhias listadas no Ibovespa no dia. Vale destacar que o ambiente político segue no radar dos players brasileiros.
Juros: a curva de juros deve subir de forma moderada após os sinais do Banco Central de que os próximos passos na condução da política monetária será comedido. Outro fator a pesar diz respeito a pressão de parlamentares do PSDB para a retirada de apoio ao governo Temer que pode repercutir principalmente nos vencimentos de médio e longo prazos da estrutura à termo de juros.
Dólar: a continuidade do cenário externo mais favorável aos ativos de risco tende a depreciar o dólar ante ao real na sessão de hoje. No entanto, a redução da taxa Selic em 1pp, que tira atrativo da renda fixa nacional - e incertezas políticas vão na direção contrária do movimento externo. Assim, o dólar deve apreciar ligeiramente ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.