Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 01/02/2019

Brasília, 01 de fevereiro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: números do mercado de trabalho norte-americano serão monitorados pelos investidores internacionais, haja vista tratar-se de importante indicador acompanhado pelo Federal Reserve (Banco Central Yankee). A percepção dos agentes é de que o ciclo de alta dos juros dos EUA fique suspenso por mais tempo. Ademais, indicadores mais fracos das pesquisas de atividade industrial nas economias avançadas (Alemanha, Reino Unido e Japão) sustentam certa apreensão, mas sem causar maiores impactos. Por ora, bolsas europeias e futuros de bolsas de Nova Iorque trabalham com sinais mistos, ao passo que petróleo e commodities metálicas caem. O dólar ganha valor frente a maioria das moedas externas.

Interno: o retorno dos trabalhos no Congresso estará no foco, mas as eleições para a presidência da Câmara e para o Senado são os destaques. Os agentes estão na dúvida em relação à eventual eleilão de Renan Calheiros (MDB) no Senado, diante das incertezas no que se refere ao apoio que ele daria à reforma da Previdência. Na Câmara, o favorito é Rodrigo Maia (DEM) cujas as expectativas são de alinhamento dele com a agenda de reformas.

Bolsa: a ambiente externo pouco mais instável e eleições no Congresso Nacional tendem a provocar certa cautela aos investidores locais, depois do otimismo da véspera. Assim, o Ibovespa deve operar volátil com viés de baixa.
Juros: a oscilação do dólar ante a maioria das moedas externas e seus efeitos de curto prazo sobre a inflação brasileira associado as quedas recentes dos juros futuros, que favorecem ajustes, tendem a estimular correção de preços na curva de juros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: conjuntura internacional mais volátil e eleições para as presidências da Câmara e do Senado brasileiro sugerem correção da taxa de câmbio doméstica (a baixa do dólar frente ao real nos últimos dias estimula a compra da divisa pelos agentes). Desse modo, o dólar tende a subir ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.